Barbudo: consigo conviver bem com a esquerda, o problema são os radicais

6

Nelson Barbudo

O deputado federal Nelson Barbudo (PSL), que se intitula conservador, de direita e bolsonarista fiel, garante que não tem dificuldades para conviver com parlamentares de esquerda no Congresso Nacional. Segundo, uma única restrição é com relação às “radicais” que fazem uma “oposição burra” e que “nada contribui com o Brasil”.

Os radicais que Barbudo refere são o líder do PT na Câmara dos Deputados Paulo Pimenta (RS) e como petistas Maria do Rosário e Érika Kokay (DF). Os integrantes da bancada do PSOL e do PCdoB não são citados pelo parlamentar de Mato Grosso.

“Consigo dialogar com a esquerda. Penso que os 513 deputados deveriam estar unidos para levar o Brasil para a frente. Esses três são radicais, fazem uma oposição burra que não contribui em nada. Tudo o que vem do governo, são contra. Até o 13º do Bolsa-Família ”, lembrou.

Paulo Pimenta é um dos principais defensores da liberdade do ex-presidente Lula, preso em Curitiba desde abril do ano passado, após condenação na segunda instância no caso de triplex do Guarujá. Já Maria do Rosário é considerada a principal desafiadora do presidente da República Jair Bolsonaro (PSL), que venceu na Justiça por causa de um episódio de “não estupro porque você não merece”. Erika Kokay é defensora de identidades como aborto, direitos de LGBTI + e legalização de maconha.

Para provar que não é setor, Barbudo afirma que tem boa relação com o deputado federal Nilto Tatto (PT-SP). Lembrar que já mantém diálogos sobre assuntos de interesse dos agricultores.

“Já sentei com o deputado Nilton e decidi concordar com a votação de matéria de interesse comum. Temos uma relação de respeito. A Câmara é um lugar para dialogar. O problema são os radicais ”, concluiu.

NO COMMENTS

LEAVE A REPLY